Saltar para o corpo principal da página

Sec. Mun. de Agric. e Meio Ambiente

Secretário: Ariel Paulo Nava


Funcionamento: 07:30 às 11:30 e 13:30 às 17:30
Endereço: Rua Stefano Greggio, s/n, Bairro Centro
Telefone: 3368-1665

e-mail: secretaria.agriculturaj@hotmail.com

 

A Secretaria Municipal de Agricultura tem por competência:

                                    I - planejamento, a programação, a execução, a organização, a supervisão e o controle das atividades relativas ao setor agropecuário do Município;

                                   II - planejamento, a programação, a execução, a organização, a supervisão e o controle das políticas públicas do meio ambiente, com ênfase na educação e proteção ambiental;

                                   III - exercer outras atividades correlatas. 

 

À Secretaria de Meio Ambiente compete:

                                    I – orientar a elaboração e execução de estudos e projetos para subsidiar a proposta da Política Municipal de Meio Ambiente, bem como para subsidiar a formulação das normas, padrões, parâmetros e critérios a serem baixados pelo COMPROMA;

                                   II – auxiliar na definição, implantação e administração dos espaços territoriais e seus componentes a serem especialmente protegidos e fiscalizar o cumprimento;

                                   III - informar a população sobre os níveis de poluição, a qualidade do meio ambiente, a presença de substâncias potencialmente nocivas à saúde, no meio ambiente e nos alimentos, bem como os resultados dos monitoramentos e auditorias;

                        IV - incentivar e executar a pesquisa, o desenvolvimento e a capacitação tecnológica para a resolução dos problemas ambientais identificados e promover a informação sobre essas questões;

                                   V - preservar a diversidade e a integridade do patrimônio histórico, cultural e genético do Município e fiscalizar as entidades dedicadas à estas atividades;

                                   VI – promover a preservação e restauração  dos processos ecológicos essenciais e prover o manejo ecológico das espécies e ecossistemas;

                                   VII – promover a proteção e preservação da biodiversidade;

                                   VIII– promover a proteção, de modo permanente, dentre outros, os sítios protegidos pelo Patrimônio Histórico e de interesse paleontológico e arqueológico, as encostas íngremes e topos de morros, bem como todas as áreas de preservação permanente, em conformidade com a Lei Federal Nº 4.771, de 15 de setembro de 1965 e a Lei Estadual Nº 9.519, de 21 de janeiro de 1992 e o código Estadual do Meio Ambiente – Lei Estadual 11.520, de 03 de agosto de 2000.

                                   IX - controlar e fiscalizar a produção, armazenamento, transporte, comercialização, utilização e destino final de substâncias tóxicas e/ou que de qualquer forma possam agredir o meio ambiente, bem como o uso de técnicas, métodos e instalações que comportem risco efetivo ou potencial para a qualidade de vida e do meio ambiente;

                                   X - promover a captação de recursos junto a órgãos e entidades públicas e privadas e orientar a aplicação de recursos financeiros destinados ao desenvolvimento de todas as atividades relacionadas com a proteção, conservação; recuperação, pesquisa e melhoria do meio ambiente;

                                   XI- propor medidas para disciplinar a restrição à participação em concorrências públicas e ao acesso a benefícios fiscais e créditos fiscais às pessoas físicas e jurídicas condenadas por atos de degradação do meio ambiente, administrativa ou judicialmente, bem como aqueles que não estão regulares junto aos órgãos ambientais fiscalizadores;

                                   XII - promover medidas administrativas e tomar providências para as medidas judiciais de responsabilidade dos causadores de poluição ou degradação ambiental;

                                   XIII - estimular e contribuir para a recuperação da vegetação em áreas urbanas, objetivando especialmente a consecução de índices mínimos de cobertura vegetal;

                                   XIV- promover periodicamente o inventário de espécies raras endêmicas e ameaçadas de extinção, cuja presença seja registrada no Município, estabelecendo medidas para a sua proteção;

                                   XV - instituir programas especiais mediante a integração de todos os órgãos, incluindo os de crédito, objetivando incentivar os estabelecimentos rurais a executarem as práticas de conservação do solo e da água, de preservação e reposição das vegetações ciliares e replantio de espécies nativas;

                                   XVI - promover a educação ambiental em todos os níveis do ensino e a conscientização pública, objetivando capacitar a sociedade para a participação ativa na preservação, conservação, recuperação e melhoria do meio ambiente;

                                   XVII - realizar o planejamento e o zoneamento ambiental, considerando as características regionais e locais, e articular os respectivos planos, programas, projetos e ações, especialmente em áreas ou regiões que exijam tratamento diferenciado para a proteção dos ecossistemas;

                                   XVIII- exigir daquele que utilizar ou explorar recursos naturais a recuperação do meio ambiente degradado, de acordo com a solução técnica determinada pelo órgão público competente, na forma da lei, bem como a recuperação, pelo responsável, da vegetação adequada nas áreas protegidas, sem prejuízo das sanções cabíveis;

                                   XIX- exigir e aprovar, para instalação de obras ou atividades potencialmente causadoras de significativa degradação do meio ambiente, estudo prévio de impacto ambiental e respectivo relatório, a que se dará publicidade;

                                   XX- exigir relatório técnico de auditoria ambiental, ou estudo de impacto ambiental, a critério dos órgãos ambientais, para analisar a conveniência da continuidade de obras ou atividades para cujo licenciamento não havia sido exigido estudo prévio de impacto ambiental, mas que passaram a causar alteração ou degradação do meio ambiente;

                                   XXI - articular com os órgãos executores da política de saúde do Município, e demais áreas da administração pública municipal, os planos, programas e projetos, de interesse ambiental, tendo em vista sua eficiente integração e coordenação, bem como a adoção de medidas pertinentes, especialmente as de caráter preventivo, no que diz respeito aos impactos dos fatores ambientais sobre a saúde pública, inclusive sobre o ambiente de trabalho.

                                   XXII - exigir das atividades efetivas ou potencialmente poluidoras o licenciamento ambiental, a fim de obter a liberação do Alvará de Funcionamento, de acordo com a legislação ambiental vigente.